Confira quais vacinas são proibidas para quem tem Miastenia

Miastenia Grave Postado em 27/04/2020

O sistema de saúde recomenda para a população, em geral, a vacinação como prevenção a uma série de doenças. Entretanto, nem todas as vacinas estão liberadas para pacientes de Miastenia Gravis. Você quer saber quais vacinas são proibidas para os miastênicos? Então, continue lendo este post.

Como todos sabem, vivemos um período muito crítico, com a pandemia da COVID-19. A doença causada pelo Novo Coronavírus, que é do tipo Sars-Cov-2, tem se alastrado ao redor do mundo, com um forte impacto no sistema de saúde.

Apesar dos esforços de cientistas e pesquisadores de vários países, incluindo do Brasil, para o desenvolvimento de uma vacina contra a COVID-19, o curso natural para se chegar a um produto testado e aprovado para uso deve, na melhor das hipóteses, levar cerca de 18 meses. Portanto, não há, por enquanto, como se vacinar contra esse Coronavírus.

Normalmente, as campanhas de vacinação no Brasil não atingem totalmente os objetivos de imunização do governo. Entretanto, neste ano, a palavra “vacina” e a campanha da vacina da gripe chamou a atenção da população, e o motivo é a pandemia.

Os sintomas da COVID-19 são muito parecidos com os da gripe, com o agravante de causar falta de ar com maior frequência. Por conta das semelhanças, o governo decidiu antecipar de abril para março de 2020 o início da Campanha Nacional de Vacinação contra a Influenza, que causa a gripe, cujos sintomas são febre, calafrios, tosse seca e cansaço.

“Além de diminuir o número de casos semelhantes ao COVID-19, a imunização para Influenza evita a coinfecção (quando há infecção pelos dois agentes, o vírus Influenza e o Coronavírus) e diminui a carga no sistema de saúde, pois pacientes gripados também podem precisar de ir ao pronto-socorro e, às vezes, podem precisar até internar em unidades de cuidados intensivos”, explica o Dr. Eduardo Estephan, neurologista do Ambulatório de Miastenia do Hospital das Clínicas (SP) e do Ambulatório de Doenças Neuromusculares do Hospital Santa Marcelina (SP).

Em fevereiro, o então ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, alertou que a vacina contra a gripe não é eficaz contra o Coronavírus, mas a imunização da população vai ajudar os profissionais de saúde a descartarem as influenzas na triagem, facilitando o diagnóstico de casos da pandemia.

Tipos de vacinas

Os miastênicos podem tomar a vacina contra a gripe, porque ela está entre aquelas produzidas com vírus ou bactérias inativados. Aliás, há estudos que comprovam que a vacinação contra gripe diminui o risco dos miastênicos procurarem o pronto-socorro, como informa o Dr. Estephan.

Quando uma vacina é feita com agente inativo, ela pode ser administrada com segurança nas pessoas, inclusive as que tomam medicamentos imunossupressores. “No entanto, vale ressaltar que qualquer vacina pode causar uma leve reação inflamatória com febre baixa e mal-estar, reação essa que pode transitoriamente piorar os sintomas da Miastenia”, pontua o especialista. Por isso, é importante checar com o médico que acompanha o paciente se está estável para receber a vacina com maior segurança.

Várias vacinas, entretanto, são produzidas com microrganismos vivos e ativos, mesmo que manipulados em laboratórios para agirem de forma mais branda, o que chamam de vírus ou bactérias vivos atenuados. A vacina faz com que o organismo da pessoa produza anticorpos contra as bactérias ou vírus que foram injetados, podendo desenvolver a doença, mas com sintomas leves.

Como o tratamento da maioria dos miastênicos inclui opções que alteram sua reação imunológica, essas pessoas podem não ter a reação esperada pela vacina. Com o sistema imunológico debilitado, esses pacientes podem contrair de fato a doença, em vez de produzir anticorpos em número suficiente para combater os microrganismos.

Portanto, a restrição à vacinação se dá por causa do tratamento da Miastenia Gravis, e não pela própria patologia, de forma que pacientes sem uso de medicações (ou que usam apenas piridostigmina) e sem nunca terem retirado o timo não apresentam contraindicações a vacinas de vírus vivo.

Por isso, essas vacinas, como a da Febre Amarela, por exemplo, são contra indicadas a pacientes que tomam imunossupressores (azatioprina, metotrexato, ciclosporina, micofenolato, rituximabe etc.), que costumam ser ministrados para miastênicos.

Além disso, dependendo da dosagem que o paciente toma de corticoides, como prednisona, prednisolona ou deflazacort, ele também não deve tomar vacinas do tipo vivo atenuado, porque a medicação também pode alterar o sistema imunológico do paciente.

As vacinas indicadas – ou não – para quem tem Miastenia Gravis

Confira, a seguir, as principais vacinas disponíveis (e aqui está uma lista mais detalhada), e quais são – ou não – indicadas para miastênicos:

Influenza (gripe): Esta vacina está liberada para miastênicos, mesmo aqueles que passaram por timectomia (retirada da glândula timo) e os que tomam corticoides e/ou imunossupressores.

Febre Amarela: Há restrição à essa vacina para adultos miastênicos que tomam corticoide, de uso contínuo, com dosagem acima de 20 mg de prednisona, por exemplo. Também é contraindicada a crianças até 10 anos de idade, que tomem mais de 2 mg de corticoide por quilo. Quem tem timoma ou passou por timectomia também não deve tomar a vacina contra Febre Amarela. A proibição vale ainda para quem segue tratamento com imunossupressor.

Sarampo: Por ser feita com vírus ativo, as vacinas Tríplice Viral ou Quádrupla Viral, que imunizam contra o Sarampo, entre outras doenças, é contraindicada a pacientes de Miastenia.

Varicela: Mais uma vacina produzida com microrganismos vivos atenuados contra a Catapora, a qual não deve ser aplicada em miastênicos.

Hepatite A e B: Esta é do tipo inativo, então está liberada aos pacientes de MG, tanto a versão conjugada (com os dois tipos de Hepatite na mesma ampola) ou individualizadas.

Pneumocócica: Por ser inativa, miastênicos podem tomar a vacina que previne várias doenças causadas por bactérias pneumococos, com destaque para Pneumonia e Meningite.

Meningocócica: Todas as versões da vacina com bactérias meningococo são inativas, ou seja, não apresentam contraindicações. Essas bactérias causam Meningite Meningocócica.

A recomendação geral para pacientes de doenças autoimunes, como a Miastenia Gravis, é evitar as vacinas quando o quadro não estiver controlado. Já pacientes estáveis, em geral, podem ser vacinados, com algumas exceções. Vale lembrar que nenhuma vacina é proibida para quem faz uso regular somente de piridostigmina.

O certo é, antes de ir tomar uma vacina, o miastênico conversar com seu médico, para entender melhor quais são as restrições, conforme o tipo de vacina, os medicamentos que toma e as respectivas dosagens, assim como o estado geral do paciente e o estágio da doença. Obviamente, o médico vai decidir o que é melhor, considerando riscos e benefícios de cada vacina para seu paciente.

É muito importante saber que os médicos não recomendam a suspensão do tratamento para uma vacinação. Isso porque pode aumentar os riscos de o paciente desenvolver uma crise miastênica, que é o pior quadro da MG. Portanto, não vá a um posto ou clínica para se vacinar sem antes ouvir o seu médico especialista.

Fontes:

https://www.saude.gov.br/noticias/agencia-saude/46449-campanha-de-vacinacao-contra-a-gripe-sera-antecipada

https://sbim.org.br/images/books/imunizacao-tudo-o-que-voce-sempre-quis-saber.pdf

Cadastre-se e conheça mais sobre a Miastenia Grave.